Donos de cães se preocupam em comprar alimento adequado aos Pets

Maioria escolhe a ração de acordo com o porte do animal

Os brasileiros têm uma relação especial com cães e estão de olho nos cuidados com eles, principalmente quando o assunto é alimentação. Segundo o “Estudo Pets”, a maior parte dos donos (38%) alimenta seu cachorro com a ração adequada ao porte do animal, enquanto um grupo de tamanho semelhante (32%) fornece aos cães ração comum. Já 27% dos donos de cachorros disponibilizam a seus animais ração específica para a raça do Pet. Um número baixo da população dona de cães (12%) alimenta seu mascote com a mesma comida consumida por eles em casa e o mesmo percentual fornece alimento preparado especificamente para o cachorro.

Em relação à frequência com que os animais são alimentados diariamente, 43% dos donos diz que fornece comida duas vezes ao dia e 34% disponibilizam o alimento três vezes ao dia. Apenas 2% dos donos não sabem a frequência que alimentam os Pets e um grupo pequeno de 7% declara que deixa a comida no prato do animal para que coma quando tiver fome.

Pets14-2

 

Conheça tudo sobre o universo desses peludos no Estudo Pets sobre Cachorros

Para começar: Pesquisar!

No relatório de uma pesquisa é provável ter diversas oportunidades, informações que muitas vezes contrariam o feeling de quem lê

Pesquisa de mercado é uma forma de levantar dados, geralmente para uma tomada de decisão, que pode ser: abrir um negócio, lançar um produto, fazer um evento ou até descontinuar o negócio, produto ou evento.

A pesquisa é de fato importante, e a maioria das pessoas que precisam pesquisar tem seu jeitinho de levantar a informação que julga relevante. Mas será que isso funciona?

No momento econômico do país, vemos muitas pessoas pensando em ter seu próprio negócio e normalmente quem pensa em inve$tir, “dá uma pesquisada” se o negócio vai ou não dar certo. O mais comum de se ouvir é: “eu pesquisei e aqui não tem tal coisa”.

Mas vamos analisar? Talvez não tem tal coisa porque falta demanda para ou porque não muito longe tem um grande concorrente que oferece também esse serviço/produto e muitos outros produtos unindo várias necessidades, e ainda temos e-commerces que atendem todos os lugares. Não é mesmo?

O entendimento por trás de uma pesquisa precisa ser minucioso. Perguntas mal feitas e dados mal formatados e não analisados, são apenas informações desencontradas.

Para a pesquisa de mercado é necessário um bom levantamento dos dados, organização das informações, análise do material e interpretação… boa interpretação!

No relatório de uma pesquisa é provável ter diversas oportunidades, informações que muitas vezes contrariam o feeling de quem lê. Por isso na hora de investir no novo negócio é preciso ter pé no chão e iniciar com uma pesquisa de mercado que é o mais adequado para não perder tempo e dinheiro!

Celebridades da TV ou da Internet? Em qual perfil apostar?

Saiba quantos perfis famosos em média, as brasileiras seguem

Na hora de decidir qual o melhor influenciador para uma campanha, muitos gestores e estrategistas podem se perguntar qual o melhor perfil para se apostar: celebridade da internet ou celebridade de TV?

A pesquisa “Influenciadoras Digitais e o Mercado de Beleza no Brasil” mostras que, de maneira geral, 38% das internautas seguem de duas a cinco celebridades de televisão nas redes sociais. Entre as mulheres com mais de 40 anos esse número sobe para 40%, enquanto no grupo das mais jovens, com idade entre 16  e 24 anos o número fica abaixo da média geral – 34%.

Quando a análise leva em conta o número de celebridades da internet, como youtubers e blogueiras, os números sofrem uma pequena queda frente as celebridades televisivas. Na média geral, 35,3% das brasileiras seguem entre duas e cinco pessoas famosas exclusivamente na internet. O índice apresenta pouca variação levando em consideração a idade das seguidoras, apresentando ligeira alta entre as mulheres de 25 a 39 anos (36%) e das classes CDE (36%).

Voltando ao questionamento do início desse post, a resposta dependerá de uma série de fatores que levam em conta o posicionamento da marca e objetivos estratégicos e o público com o qual se deseja comunicar além do momento em que a comunicação será efetuada.

Quer saber quais celebridades foram mencionadas pelas entrevistadas no estudo? Veja a pesquisa completa Influenciadores Digitais e o Mercado de Beleza no Brasil.

5 insights sobre influenciadores e o mercado de beleza

Saiba quem é mais influente e as plataformas favoritas das brasileiras.

Apesar da crise da vivida pelo Brasil, o mercado de produtos de beleza parece estar driblando o cenário de instabilidade econômica, crescendo e se adaptando ao novo momento. Com a diminuição de renda, a brasileira diminuiu a visita a salões de beleza e passou a se embelezar em casa. E nesse cenário de “faça você mesmo”, os influenciadores digitais se destacam como fontes de informação para a mulher que quer cuidar de si mesma. 

A influência dessas personalidades no comportamento de compra e nos hábitos das brasileiros foi o objeto de um estudo exclusivo de Pesquisas.com.br. Abaixo, você confere cinco insights do levantamento para ficar por dentro desse movimento do mercado.

 

1- Influenciadores da internet como facilitadores do processo de compra

Mais da metade das entrevistadas já comprou algo que viu em blogs ou perfis de alguma celebridade da internet e as que ainda não apresentaram esse comportamento, declaram que comprariam algo visto em blogs ou redes sociais de alguma celebridade da web.

2 – Profissionais também se destacam

Os perfis de pessoas que trabalham com beleza, como maquiadores, cabeleireiros, esteticistas  por exemplo são considerados uma fonte de informações sobre beleza mais relevante do que as celebridades. Em geral, 32,7% das internautas seguem os perfis dessas personalidades para se informar sobre cuidados com o corpo e dicas de beleza, contra 24,2 das que seguem celebridades.

3- Conteúdo longevo X Conteúdo breve

Plataformas que proporcionam mais espaço para conteúdo longevo, como YouTube e blogs se destacam frente aos canais que oferecem conteúdos mais breves, como Snapchat e Twitter. O YouTube é predileto das brasileiras na busca de informações sobre beleza, ficando na frente de redes sociais como Facebook e Instagram.

4- Não subestime a influência de parentes e amigos

Apesar do desempenho das celebridades e dos influenciadores digitais na recomendação de produtos, a opinião de indivíduos próximos ao círculo pessoal das consumidoras, como parentes e amigos ainda é de grande importância na compra de produtos. Quase 60% das entrevistadas disseram que dão prioridade a produtos recomendados por pessoas comuns.

5- Cabelo lidera pesquisas

Os cuidados com cabelo são os principais assuntos procurados pelas internautas em redes sociais quando o tema é beleza, principalmente entre as brasileiras na faixa etária entre 16 e 24 anos (83,6%).

Quer saber quais influenciadores estão no ranking? Conheça nosso estudo completo clicando aqui

Profissionais de beleza se destacam como fontes de informações nas redes sociais

Mulheres acima de 25 anos e com mais renda são as que mais procuram esses influenciadores

Os profissionais da área de beleza se destacam entre as brasileiras como referências de informações nas redes sociais. Em geral, 32,7% das internautas seguem os perfis dessas personalidades para se informar sobre cuidados com o corpo e dicas de beleza. Esses profissionais (médicos, esteticistas, coloristas, maquiadores e cabelereiros) são mais procurados como fontes de informação principalmente entre as mulheres entre 25 e 39 anos (34,2% delas) e das classes AB (42,4%).

 

Em contrapartida, as chamadas celebridades da internet obtiveram um índice de menções bem menor, abaixo dos profissionais de beleza. Na análise geral, 24,2% das internautas brasileiras seguem perfis de personalidades famosas da internet para buscar informações sobre beleza ou recomendações de produtos. As celebridades tiveram um desempenho melhor no grupo mais jovem, entre 16 e 24 anos, obtendo um total de 33,8% de lembranças nesse quesito.

 

Adquira o estudo completo sobre os Influenciadores Digitais

YouTube é a rede mais procurada quando o assunto é beleza

Já canais de conteúdo breve como Snapchat e Twitter foram pouco lembrados pelas internautas.

Quando o tema é beleza, o YouTube se destaca como o canal predileto das brasileiras que buscam informações deste mercado. A rede se destaca por deter preferência de 40% das internautas nesse quesito, fazendo frente a plataformas como Facebook (34%), Instagram (11%) e blogs (9%) na análise geral. A rede de compartilhamento de vídeos do Google também se destaca entre as brasileiras das classes CDE (preferida por 42,6% delas) e entre as jovens entre 16 e 24 anos (45,3%).

Redes em que o conteúdo tende a ser breve tiveram um baixo índice de lembranças entre as internautas, ficando com índices abaixo de 1% na análise geral. O Snapchat alcançou a pontuação de 0,7% enquanto o Twitter apresentou um resultando ainda menor – 0,3% das internautas procuram o canal para se informar sobre produtos de beleza.

 

 

Você pode adquirir o estudo completo neste link.

Elas se preocupam em ler os rótulos, mas ainda se consideram pouco saudáveis

Na análise geral, muitos brasileiros confessam não cultivar boas práticas em relação à saúde

O consumidor brasileiro está ficando mais consciente, buscando mais informações antes de comprar. No entanto as mulheres confessam que se consideram pessoas com poucos hábitos saudáveis em comparação aos homens do país. Cerca de 73,5% delas acreditam que não cultivam boas práticas em relação a saúde, enquanto entre os homens este percentual é de 70,9%. Na análise geral, sem levar em consideração o sexo dos entrevistados, a situação não muda muito: 72, 4% dos brasileiros declaram serem pessoas com poucos hábitos saudáveis.

Quando é levado em conta o critério de faixa etária, a população a partir de 50 é a que apresenta o maior percentual de pessoas (34,5%) que declaram ter mais preocupação com seus hábitos relacionados à saúde.  O grupo até 24 anos também demonstra essa preocupação, embora em um número menor do que os mais velhos: 27,6%. Já o grupo intermediário entre 25 e 49 anos apresenta um total menor de pessoas que confessam ter hábitos saudáveis. 

Conheça a pesquisa completa sobre Alimentação Saudável